segunda-feira, 12 de dezembro de 2011


“Chorava baixinho, pra ninguém escutar. Encurvava-se no chão do banheiro, e ficava por lá. Não queria ninguém pra ficar perguntando o porque de estar mal, assim evitaria de ter que ficar dando explicações. Afinal, ninguém entenderia mesmo. Pensava em várias maneiras para aquela dor passar, mas nada adiantaria. Sorria para as pessoas, mas quando a noite caia, lágrimas escoriam de seus olhos… Chorava sem ninguém ver, sem ninguém perceber. Mas no fundo, o que queria mesmo era um colo pra poder colocar a cabeça, e desabar. Um ombro pra deitar, e alguém pra jogar conversa fora durante o dia todo, e no fim dá noite alguém te dar carinho, que seja. Pra poder contar o que tem medo, o que sufoca e causa dor. Só queria mesmo era proteção. E alguém pra secar as suas lágrimas.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário