sexta-feira, 16 de dezembro de 2011


“Confesso que eu queria que desse certo, mas algumas coisas destruíram nós dois. Fico me perguntando em qual parte exatamente eu me pedir de você; talvez eu só tenha esperado demais. Eu só tenha esperado que você voltasse depois de tudo, mas as coisas não são assim. Aprendi isso quando você se foi. E dói, mesmo quando eu digo que não. Porque você agora é um espaço vazio tão grande dentro de mim. Encaro as pessoas na rua como estivesse esperando você voltar, ou que apareça alguém tão bom, ou tão ruim, quanto você. Nada preenche a saudade, nem a falta, nem aquele sentimento de culpa que existe dentro de mim por ter te deixado partir. Às vezes pergunto-me exatamente o que eu quero dos outros, de mim. Só encontro você. Vou convencer-me de que é melhor na sua ausência a saudade, do que sua presença no vazio. Mas… Eu não quero me perder mais ainda. Eu não quero aceitar que devemos continuar tão distantes assim. E apesar de sentir uma falta imensa de mim, de nós. E do que nós destruímos, eu sei que eu não procuro ninguém além de você.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário