quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012


“Mas eu pensei que seria fácil ficar sem você. Me iludi achando que não sentiria a tua falta. E veja só, agora estou aqui, escrevendo um texto sobre a saudade… E tentando entender porque tivemos um fim. E eu simplesmente não acho um porquê. É como se a gente não tivesse nascido para ficar junto. Como se o amor fosse apenas um detalhe. E agora eu não sei o que fazer. Me sinto sozinha, sem saída. Sinto vontade de gritar pelo teu amor. E eu me seguro para não ir atrás de ti. Porque eu sei que não irá adiantar. Eu compreendo que é o fim, mas é difícil aceitar que não poderei mais te pertencer. E todos os dias dói mais um pouco. É torturante olhar para tua foto e perceber que tu não é mais meu. E eu choro, como se fosse resolver algo, e não paro de chorar até que eu consiga pegar no sono. Deveria ser mais fácil. Eu não deveria me importar tanto. E eu disse que o único que choraria seria você… Mas agora eu não consigo controlar minhas lágrimas. Porque, infelizmente, eu descobri que preciso muito de você. Mais até do que eu imaginava. Então não para de doer. Nem de fazer falta (…) Eu te amo. E eu desejo não te amar para sempre. Porque seria crueldade demais amar quem eu não posso ter… E agora as madrugadas se tornam torturantes, porque parece que você está aqui. Parece que você está olhando para mim. Como se estivesse cuidando de mim. E eu fico feito tola lembrando das promessas. De quando disse que me amaria para sempre. E eu simplesmente não sei no que eu devo acreditar. Eu não sei como serei capaz de seguir em frente. E talvez eu nem queira seguir em frente. Talvez eu queira aproveitar cada pedacinho de ti que restou em mim… Eu tenho medo de que eu lhe esqueça, pois eu disse a ti que jamais iria te esquecer. E eu quero cumprir ao menos esta promessa, já que todas as outras foram anuladas quando você decidiu partir… Agora eu terei que seguir sozinha. Agora eu não terei mais você para cuidar de mim. Não terei mais suas mensagens durante a madrugada. Não terei as brigas, nem os ciúmes. Agora eu não terei os sorrisos. Não terei as brincadeiras, os cuidados e o carinho. Nunca mais terei você.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário